2011 Edition

Vários Artistas

"New Life | New Document"

New Life | New Document

Curadores da exposição: Vladimír Birgus and Tomáš Pospěch

 

Organizada pelo Institute of Creative Photography, Silesian University in Opava e pela Prague Biennale Foundation

 

A exposição “New Life, New Document” incide sobre a zona ampla apesar de ainda não exactamente definível do novo documento, na República Checa, na Hungria, na Polónia e na Eslováquia. Mudanças significativas na vida da maioria das pessoas que vivem na região Centro-Europeia, são examinadas pelos autores de diversas novas tendências da fotografia documental, afastadas das posições tradicionais da reportagem fotográfica humanística, ou da orientação subjectiva dos instantâneos. Todos os países da Europa Central sabem reconhecer a longa tradição da fotografia documental, bem como um certo número de artistas que trabalham nessa área. Contudo, enquanto que as regiões Checas e a Hungria mantiveram a fotografia documental como uma posição forte dos anos 70 e 80, na Eslováquia e Polónia esta encontrava-se nessa altura um pouco à sombra de trabalhos intermedia, conceptuais, encenados e de fotografia artística tendo captado a atenção de artistas particularmente jovens, na década seguinte. Nessa altura, as aproximações ao "novo documento", apresentadas em conjuntos mais vastos em conteúdo e imagens com um determinado conceito, começaram a demarcar-se das posições mais ou menos tradicionalmente perceptíveis da fotografia documental. Formalmente, o interesse em aplicações criativas e nas possibilidades da fotografia a cores (são raras as fotografias a preto e branco), combinação de flash com luz ambiente e filtros de cor, enfase num excelente processamento de impressões em grande formato, muitas vezes tratadas e sem as tradicionais montagens e molduras, são características do novo documento. A um nível inferior, consistindo à primeira vista numa inovação técnica, é visível uma ainda mais pronunciada deslocação de atitudes em relação à pessoa fotografada.

 

Ao contrário de coberturas fotográficas anteriores, de análises sociológicas ou de celebrações humanísticas, elementos como ironia e sarcasmo surgem frequentemente. As intenções do fotógrafo relacionadas com a realidade e deslocadas em grande parte da enfase na subjetividade e na posição do autor, encontradas sob diversas formas em diários visuais de auto-reflexão, até à descrição não participante e à eliminação consciente do fotógrafo entre a câmara e o motivo fotografado, são também novidade. A mudança de valores e estilo de vida após a queda do comunismo, a crescente comercialização e o hedonismo bem como o enfraquecimento da religiosidade, o verdadeiro impacto do mundo global na vida das pessoas da Europa Central são muitas vezes observadas, à medida que este ambiente é gradualmente atacado pelas tendências Ocidentais, infiltrado pelos media e pelas estratégias publicitárias. Frequente na fotografia da Europa Ocidental ou Americana, mas não tão explorada na Europa Central, é a questão da nova classe média com o seu específico sistema de valores e, em muitos casos, estilo de vida não ainda acomodado, imitando ídolos estrangeiros. Frequentemente surgem em evidência temas que eram tabu ou eliminados no período do comunismo totalitarista: a prostituição, as drogas, o sexo, o crime. Hana Jakrlová reagiu na sua série Big Sister à emergencia massiva dos serviços sexuais pagos e da indústria pornográfia nos países pós- comunistas da Europa Central. Ela fez um acompanhamento a longo prazo do bordel da Internet em Praga, fora do comum pelo seu sistema de pagamento e levando a público a intimidade pessoal. O sexo é proporcionado de forma gratuita, mas sob compromisso de que o visitante seja gravado por cameras omnipresentes, que constituem acessórios domésticos específicos e que "ao vivo" ou posteriormente, podem ser vistas por qualquer pessoa com acesso pré-pago ao sítio da web. Agnieszka Rayss criou uma série de fotografias dos bastidores de concursos comerciais de rainhas de beleza na Polónia e na República da Eslováquia. Mariusz Forecki usou de forma criativa um flash com um filtro de cor para alternar entre o primeiro plano e o plano de fundo e para registar concertos de estrelas pop e rock, competições para multidões e outras formas de concurso, novas para os polacos. Rafal Milach observou a Americanização da Europe Central, apresentando o exemplo do shopping com entertenimento, da fronteira sestro-Morávia. Muitos fotógrafos Checos, Húngaros, Polacos e Eslovacos, não hesitam em combinar fotografia documental com a encenada, tal como faziam Jeff Wall, Tina Barney e Philip-Lorca diCorcia. Não se preocupam ainda com a incansável autenticidade, mas antes com a repetida presença visualmente atractiva da substância dos problemas observados. Esta estilização da realidade atrai a nossa atenção para o facto de que a fotografia é apenas uma imagem, uma comunicação codificada, estórias. Para além disso, a estilização é impensável sem a realidade. Esta abordagem para-documetal pode ir buscar inspiração a uma vasta gama de fontes, desde Conferências sobre fotografia de moda até aos princípios de extracção "arqueológica" de álbuns de família. Jan Vaca, como jornalista do diário Checo Mladá Fronta Dnes, escreve acerca de processos-crime, casos de tribunal e actos violentos. Inspirado indubitavelmente por este pano de fundo, criou imagens alteradas, cheias de erros, o fenómeno actual da Internet designado por "stalking", cuscovilhice voyeurística e de observação de momentos íntimos de estranhos.

 

A composição e os princípios usuais da fotografia de publicidade e de moda, podem encontrar-se num projecto grotesco de Kateřina Držková e Barbora Kleinhamplová, que, como se se encontrassem sob a influência de leituras cativantes de revistas de estilos de vida, capturaram a vida quotidiana de famílias banais de classe média, dentro de salas de estar, quartos, cozinhas e quartos de banho, vendidos no Ikea. Só após observação mais atenta se poderá descobrir que essas rotinas diárias se passam nos showrooms do centro de Praga da referida companhia Sueca, tendo ainda as peças de mobiliário as estiquetas e os códigos de barras. Matyás Misetics, um artista de sucesso nas áreas de freelance e fotografia de publicidade, criou cenas nocturnas citadinas, situadas algures entre a realidade e o sonho, imagens fantasmagóricas acentuadas por uma iluminação imaginativa, como se criasse um palco geral para potencial acção futura, aquela pela qual esperam todos os actores. O sociologista e fotógrafo Péter Szabó Pettendi viajou pelos cantos mais remotos da Hungria, com um enorme cartaz de Budapeste iluminada, fotografando os habitantes locais que nunca tinham visitado a capital Húngara, ainda que muitos deles vivessem a escassos quilómetros de distância. Resultantes deste "levantamento sociológico", surgem retratos dispostos com o olhar directo dos retratados, documentados quer em fotografia, quer em vídeo. Fotografias still, apresentando diversos edifícios, ambiente urbano e paisagens, são outros relatos do estilo de vida actual. Krisztina Erdei coloca no seu projecto continuado, Plastic, lado a lado e de forma livre, fragmentos estáticos de objectos diversos e instantâneos que estão ligados por meio de um sentimento partilhado do mundo estranhamente artificial e alienado. Fotografias significativas e a cores, cheias de fantasmagorias metafóricas. A exposição “New Life, New Document” mostra, através dos exemplos seleccionados, apenas uma fracção das tendências contemporâneas da fotografia documental Checa, Húngara, Polaca e Eslovaca, realizada pelos autores da geração mais jovem. Acreditamos que é possível acompanhar as diversas reflexões dos autores sobre as mudanças radicais de estilos de vida nesses países, após a queda do Muro de Berlim e o enfraquecimento das diferenças na compreensão tradicional dos documentos.

 

Vladimír Birgus and Tomáš Pospěch

Vários Artistas

(CZ): Kateřina Držková – Barbora Kleinhamplová, Libor Fojtík, Hana Jakrlová, Svatopluk Klesnil, Jan Vaca, Roman Vondrouš; (PL): Mariusz Forecki, Grzegorz Klatka, Rafał Milach, Agnieszka Rayss, Urszula Tarasiewicz; (HU): Krisztina Erdei, Matyás Misetics, Péter Szabó Pettendi, (SK): Andrej Balco, Šymon Kliman, Martin Kollár, Jozef Ondzik

Local da Exposição

Mosteiro de Tibães

O Mosteiro de São Martinho de Tibães, antiga Casa Mãe da Congregação Beneditina portuguesa, foi adquirido pelo Estado Português em 1986 e afecto ao Instituto Português do...

Mais informação

Horário

Terça-Feira a Domingo | Tuesday to Sunday | 10h00—19h00

Horário de Inverno (a partir de 24 de Outubro) | Winter time (from the 24th of October) : 10h00 - 18h00

Apoios Institucionais

Braga UM DGArtes GovernoPortugal