Iuna Vieira

"Behind the Courtain"

Behind the Courtain

É frequente que uma relação se assemelhe a uma pessoa: tem o seu carater próprio, uma determinada forma de se mover, uma certa linguagem e um comportamento próprio. Todos nós fazemos coisas esquisitas quando estamos sozinhos e sabemos que não estamos a ser observados. Acontece o mesmo com as relações. Os casais agridem-se, nem sequer conseguem tomar um chuveiro sozinhos quando estão zangados, fingem ser macacos,... Nunca conseguimos compreendê-los completamente, mas podemos bater-lhes à janela e pedir-lhes que corram a cortina. Os casais aqui apresentados têm dezoito, dezanove ou vinte anos, e experimentam viver juntos e ter uma relação estável pela primeira vez. São como crianças: não usam máscara, não procuram encaixar-se em determinadas categorias, nem ser o que os outros esperam deles. Ainda não têm relações passadas nem futuras com que se comparar, nem casais perfeitos entre os seus amigos, ou pais que vivam um casamento perfeito e possam constituir modelos. Podem, portanto, viver a relação à sua maneira – sem competição, nem comparações. Imagino o que teriam inventado se o beijo ainda não existisse. Já despiram a sua alma em frente um do outro há muito tempo. Juntos estão tão nus quanto é possível e não têm nada a esconder. Por isso podem correr um pouquinho a cortina, muito embora um observador possa influenciar a situação. Abrem-na pois não têm nada a perder, nada que fingir e porque são meus amigos. Eu sempre desejei o que eles têm. Ao desenvolver este projeto, senti-me como uma cientista tentando aprender a partir de trabalho de campo, tirando fotografias, fazendo perguntas e observando. Esta série representa as minhas notas e o que consegui ver: quanto mais esquisita uma relação parece a um estranho, mais profunda é.

Iuna Vieira

Iuna Vieira nasceu em 1994 e cresceu em Viena de Áustria. Frequenta a Vienna’s School of Media - Departmento de Fotografia, desde 2008. Estuda diversas áreas ligadas à fotografia tais como design de média, filmagem, multimédia, marketing, tecnologia de média, elaboração de photobooks e história visual. Após a sua visita ao "Lumix – Festival for Young Photojournalism" em 2010, tem-se dedicado à fotografia de documentário social e começou a trabalhar em projetos de curto e longo prazo. Desde 2011 tem vindo a organizar e implementar o projeto de um livro sobre a juventude Israelita e Palestiniana no âmbito do conflito do Médio Oriente, com o qual ganhou vários concursos. Para além do desenvolvimento de projetos e do trabalho escolar, tem feito estágios, tem tido várias ocupações e trabalhado como fotógrafa para ONGs e organizações. Participou igualmente em revisões de portfolios, festivais internacionais de fotografia, expôs o seu trabalho em exposições de grupo em Viena e fez diversas viagens à América do Sul, ao Médio Oriente e à Europa, para desenvolver os seus projetos fotográficos.

Estação Galeria EI

Largo da Estação 40, Sala 5, 4700-022 Braga

.

Mais informação

Horário

Terça a Sexta: 10h as 13h e das 14h30 as 18h30 | Sábado e Domingo: 14h30 as 18h30 |

Segunda: Encerrado

Apoios Institucionais

Braga UM DGArtes GovernoPortugal