Jaime Vasconcelos

"Revoluções"

Revoluções

Nesta exposição, Jaime Vasconcelos apresenta uma série de imagens resultantes do seu estudo histórico de algumas revoluções que ocorreram no mundo Ocidental e Oriental, desde antes de Cristo até ao século XX. Tratam-se de composições digitais referentes a situações históricas que ao autor interessaram abordar, numa escolha assumidamente pessoal e política. Em «Revoluções» Jaime Vasconcelos conta-nos momentos destas histórias através da cor, das texturas e gestos pintados inseridos digitalmente na composição, dos planos criados pelas diferentes camadas de leitura. A desconstrução da fotografia, ou melhor a construção de uma outra imagem, origina novas formas e narrativas, estando subjacente a perspectiva subjectiva do seu autor. Jaime Vasconcelos prossegue, assim, o seu percurso artístico no qual a fotografia/imagem funciona como uma ferramenta e não como um fim, fechado em si mesmo. Este processo, iniciado em 2007, encontra-se formalmente entre a Fotografia e a Pintura e o Desenho, descolando-se da realidade fotografada e produzindo imagens de forte cariz plástico.

Jaime Vasconcelos

Nasceu em Lisboa, em 1969. Vive e trabalha em Lisboa. Desde que se formou no Ar.Co em 2002, Jaime Vasconcelos entendeu a fotografia como uma ferramenta e não um meio que se encerra em si mesmo. Recorre à fotografia como uma matriz, um ponto de partida, ao qual tem vindo a acrescentar sucessivamente diferentes camadas de leitura, tanto ao nível cromático (como na série Viagens, que esteve na génese desta afirmação autoral), como ao nível de texturas (visível na sua mais recente série "De passagem"). O seu processo criativo continua numa fase e num tempo posteriores ao momento captado pela máquina fotográfica. Esta questão do tempo e do descolamento da realidade fotografada é, aliás, fundamental no seu trabalho artístico. Prossegue o seu caminho com recurso a ferramentas digitais que lhe permitem extravasar e recriar essa mesma "realidade", introduzindo outros elementos sejam eles a cor, o re-enquadramento, ou o próprio gesto humano pictórico. Uma aproximação à pintura através da fotografia. Uma procura de novas formas pictóricas, relativas à pintura e à imagem, que é uma das grandes temáticas da nossa contemporaneidade, no mundo da arte. Contudo, como refere Alda Galsterer no texto da exposição "Viagens": "ficando sempre fiel ao seu percurso e procura artísticas, criou obras que se encontram entre a fotografia e a pintura, entre o conto e o encontro".

Local da Exposição

Posto do Turismo de Barcelos

Mais informações brevemente.

Apoios Institucionais

Braga UM DGArtes GovernoPortugal