Vários Autores

"Illusion Lab of Happiness"

Illusion Lab of Happiness

A exposição “ILLUSION LAB of HAPPINESS” dá corpo aos projetos dos “autores -descoberta” da open call, lançada no inicio de 2015 para corresponder ao desafio de pensar criticamente o lugar do “Poder e da Ilusão” na atualidade. O Festival reafirma no seu aniversário a vontade de lançar autores revelação, através de uma chamada pública gerando assim oportunidades de produção e exposição. Sob o signo do PODER e da ILUSÃO, esta coleção fala do poder da imagem e inspira-nos a fazer uma retrato destes tempos de grande viragem para a fotografia, pelo desejo de capturar o mundo e explorar a linha invisível entre a verdade e a ficção, questionando as representações da atualidade.

BIRGIT KRAUSE - Plánetes

“Plánētes – O título deste trabalho de Birgit Krause deriva da palavra grega para “vagabundo” ou “itinerante”. Fotografou o sol, a lua e as estrelas. As fotos mostram também aparelhos técnicos, caixas e rochas – aparentemente, uma referência para um trabalho científico. Dá a ideia de estarmos a ver documentos de uma viagem astronómica.

É a aparência que poderá ter o espaço: infinito espaço, rochas interessantes, paisagens incolores, o brilho e o verde da profundidade dos oceanos. Jogando com a nossa imaginação e a nossa perceção da realidade, Birgit Krause questiona a ideia de realidade das nossas conceções inferidas, transportando-nos desta forma numa viagem plena de fascinantes ilusões. O apelo ao artifício poderá também ser aquilo que cria o efeito duradouro das suas fotografias – fantasmas de uma beleza onírica. Inteiramente confiante na sua própria visão, a fotógrafa não encena as suas fotografias, mas descobre uma nova, e estranha terra na realidade.” Ute Mahler

BRUNO CARVALHO - I Confess

Actualmente os conceitos realidade, virtualidade e espiritualidade tendem para uma sobreposição. Os mais recentes desenvolvimentos tecnológicos nos aparelhos de comunicação móvel alteram de um modo fácil e exponencial a flexibilidade do tempo, esvaziando o conceito de espaço, anulando a experiência do real. Estes novos comportamentos modelam a sociedade com particular enfoque para as interacções sociais, promovendo uma cultura-mundo onde impera o Homo Ecranis (Gilles Lipovetsky), onde o ecrã assume uma extensão física como instrumento de relação com o real. Esta nova realidade virtual, sempre presente e ao mesmo tempo sempre distante, torna as interacções sociais fugazes numa profundidade íntima. Por outro lado, o conceito atual de um confessionário é uma necessidade pertinente e o seu objecto urgente. A descrença de que a globalização podia providenciar tudo para todos, levou a um vazio que tende a ser colmatado por um regresso da fé e do sagrado na procura de novas referências de “valor espiritual” que definam novas fronteiras de orientação política e social não materialistas. A persistente crise europeia revela uma alienação da sociedade baseada em realidades ilegais e imorais arquitectadas por minorias políticas e corporativas com a cumplicidade de uma sociedade de maioria individualista e hiper consumista.

CATHERINE BALET - Strangers in the light

Esta série fotográfica é uma exploração da complexa relação entre o homem e a tecnologia nos diversos campos da vida. Refere-se às novas posturas das figuras contemporâneas conectadas e absorvidas pela luz branca digital, e à forma como os temoveis criaram uma nova abordagem à rápida e leve fotografia móvel, criando a sua própria estética e afetando a nossa cultura visual. As fotos desta série são iluminadas exclusivamente com luz de dispositivos, intensificando a sensação de um chiaroscuro do século XXI. Este brilho tecnológico cria uma estética que sugere ligações às pinturas clássicas e aos antigos mestres desta disciplina. Investiga uma reflexão sobre a rutura histórica que foi imposta pela invenção dos dispositivos. Questiona a capacidade de omnipresença que a tecnologia oferece, abrindo-se um novo espaço de tempo numa realidade condensada algures entre o passado, presente e futuro, e onde a rapidez se tornou prioridade, alterando a abordagem ao tempo e à memória. “Strangers in The Light” é uma série de 70 fotografias, que foi publicada em formato livro pela editora Steidl em 2013.

EDGAR MARTINS - The Poetic Impossibility to Manage the Infinite

The Poetic Impossibility to Manage the Infinite (2014) é o mais completo levantamento fotográfico de sempre, acerca de uma das mais importantes organizações científicas e espaciais, e o resultado de uma longa colaboração com a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla inglesa).

Em 2012, Edgar Martins obteve um ímpar acesso à ESA e a programas do seus parceiros, incluindo micro-gravidade, exploração humana do espaço, exploração lunar, de Marte e de Mercúrio. Nos últimos dois anos viajou para 20 locais entre o Reino Unido, Holanda, França, Alemanha, Espanha, Rússia, Cazaquistão e Guiana Francesa para fotografar instalações confidenciais, tais como centros de testes, departamentos de robótica, simuladores espaciais, laboratórios, locais e plataformas de lançamento, centros de formação de astronautas e salas de montagem de satélites. As fotografias foram tiradas usando longas exposições (até uma hora) e uma câmara 10x8” de grande formato. A sua composição limpa e a sua nitidez hiper-real contrastam profundamente com o véu de sigilo e enigma que frequentemente envolve a atividade relacionada com o espaço. Embora raramente visto pelo público, a tecnologia e as instalações apresentadas no projeto The Poetic Impossibility to Manage the Infinite parecem estranhamente familiares, sublinhando a influência que a cultura popular tem na formação da nossa compreensão sobre a exploração espacial. A exposição rigorosa ao estilo de um estudo, de Edgar Martins revela a grande dimensão deste esforço científico global, talvez o melhor do nosso tempo. The Poetic Impossibility to Manage the Infinite documenta a nossa demanda em atravessar a realidade astrofísica do universo de forma a melhor compreender o tempo, o espaço e a matéria. Ao fazer isso, Edgar Martins destaca as alargadas políticas da exploração espacial, o crescente papel da ciência e da tecnologia na nossa sociedade e na nossa relação com o desconhecido, dando abertura a questões mais vastas sobre epistemologia, metafísica e por fim a sua própria conceção da humanidade.

DISCOVERY AWARDS OPEN CALL 2015

ALICE SMEETS

BÉNÉDICTE VANDERREYDT

BENOIT LUSIERE

CLAIRE COCANO

DAVID FATHI

DELPHINE SCHACHER / EQ2

LAURENCE RASTI

MICHEL LE BELHOME

PUTPUT

RITA PUIG SERRA

SAMSUL ALAM HELAL

SUE ELIE ANDRADE DE

ULLA DEVENTER

YURIAN QUINTANAS

Mosteiro de Tibães

Rua do Mosteiro - Mire de Tibães

O Mosteiro de São Martinho de Tibães, antiga Casa Mãe da Congregação Beneditina portuguesa, foi adquirido pelo Estado Português em 1986 e afecto ao Instituto Português do...

Mais informação

Horário

Terça-Feira a Domingo | Tuesday to Sunday | 10h00—19h00

Horário de Inverno (a partir de 24 de Outubro) | Winter time (from the 24th of October) : 10h00 - 18h00

Apoios Institucionais

Braga UM DGArtes GovernoPortugal