Wawrzyniec Kolbusz

"Sacred Defense"

Sacred Defense

Sacred Defense, insere-se principalmente na realidade do pós-guerra do conflito Iraque-Irão, e é uma história de produção de imagens fictícias de guerra e reconstrução de eventos históricos, combinados de forma a criar uma memória coletiva. Não só segue as já existentes formas de construção de narrações fictícias de guerra, como também cria uma nova, simulacros de guerra feitos com imagens de instalações nucleares digitalmente alteradas.

Sacred Defense é um jogo, no qual as imagens nos fazem acreditar que vemos a guerra. Contudo, estamos a olhar para ilusões. Acompanhamos a forma como os simulacros de guerra, de importância social e política, estão a ser criados dentro de diferentes espaços e narrações. Uma cidade cenário, construída com o único propósito de produzir filmes de guerra, é um espaço auto-referenciável, criado para se tornar uma imagem de guerra e não para ser experienciado. Os museus reproduzem a realidade do tempo de guerra ao mais pequeno pormenor; com figuras de cera de mártires específicos que permitem voltar a conhecer os heróis que sucumbiram; e réplicas de plásticos de minas antipessoais vendidas como lembranças.

A partir de um jogo entre cópia e original, o autor conduz-nos ao ponto onde ele cria uma nova simulação. Ele emenda imagens de satélite de instalações nucleares Iranianas com versões mutuamente exclusivas de destruição, resultando no que poderia ter sido causado por um hipotético ataque do Ocidente. Edifícios que estão destruídos numas imagens, aparecem intactos noutras, e todas as versões paralelas dos mesmos eventos são apresentadas num único mapa de satélite.

Por um lado, temos versões alternativas de destruição, mas ao mesmo tempo vemos uma multiplicação do mesmo ataque. Usando a visão de Milan Kundera, esta repetição é necessária para criar significado real em acontecimentos históricos. Contudo, nas suas simulações auto-referenciáveis o autor não utiliza acontecimentos do passado de forma continuada, opta antes por traçar alternativas e produzir “provas” de um evento que nunca aconteceu, apesar de ter sido largamente discutido nos meios de comunicação.

Wawrzyniec Kolbusz

Nos seus trabalhos, Wawrzyniec Kolbusz (Polónia) envolve-se com tópicos como a simulação, substituição e referência, aplicados ao fenómeno de como as imagens por si só provocam o espetador. O seu interesse artístico gira em torno de padrões de comportamento social, cultural e político escondidos ou que geralmente passam despercebidos, abordando-os sob uma perspetiva conceptual. Usa frequentemente a estética da linguagem minimalista para comunicar. Os seus trabalhos estão marcados pela ambiguidade e pela relação entre meio e política. Vive e trabalha em Varsóvia, Polónia.

Casa das Bombas (Galeria Janes)

Galeria Janes - Rua do Souto, 21

Situada no Edifício da "Galeria Janes" na Rua do Souto n.º21, a rua da porta de cidade de Braga, o nome “Casa da Bombas”, surgiu metaforicamente para acolher a XXV edição do...

Mais informação

Horário

Terça a Domingo | Tuesday to Sunday: 10h -12h30 | 14h30 - 18h30

Apoios Institucionais

Braga UM DGArtes GovernoPortugal