Vários Autores

"Seeing is Believing [Bombs & Ghosts]"

Seeing is Believing [Bombs & Ghosts]

Construída sob um conjunto de representações que envolvem a construção da verdade nas sociedades contemporâneas “Seeing is Believing” lança pistas sobre algumas das questões mais pertinentes ligadas a um tempo hiper-conturbado, permitindo antever a dimensão estrutural de um mundo novo.

SEEING IS BELIEVING fornece um impulso para a contemplação sobre a forma como a imagem técnica se relaciona com a realidade, a autenticidade do meio da fotografia e a relação da consciência humana com as invenções engenhosas da ciência. O tema proposto é, nessa perspetiva, particularmente rico de sugestões e desafios antropológicos e sociológicos. A necessidade de dar visibilidade ao invisível, circunscrita a uma ideia de tempo, da passagem do perecível para o perene, da incerteza para a certeza, faz com que a fotografia se revele como um momento singular, quase sagrado do ato de acreditar.

E, porque não é possível definir os limites do olhar, esta mostra foca-se nas sensações e impressões visuais dos autores para traçar uma visão fragmentária desta infinita temática. O modo plural do ato de VER que os diversos autores aqui reunidos exploram, sendo em si mesmo um signo de riqueza e da diversidade que as diferentes culturas engendram, tornam esta seleção uma experiência reveladora sobre o ato de acreditar.

A sucessão de imagens ambíguas e, por vezes irónicas, e com notas de humor seguem os ritmos da crença humana, garantindo a navegação pelos interstícios da fragilidade humana. As fotografias revelam-nos ora a crença no poder da imagem, através de vincadas visões pessoais, de confronto ou crítica, como é o caso do autor Miti Ruangkritya, e por vezes plenas de humor e ficção, no caso de Tiago Casanova com a instalação “Is it a revolution?”.

Natasha Caruana com a série “Love Bombs” dá resposta à inquietude das relações afetivas, ensinado através de poções mágicas como trazer a pessoa amada de volta, ou afastá-la para sempre, coleccionando inúmeras histórias de amor, desgosto, violência e até mesmo de morte. Por outro lado, o universo da imaginação convocado pela série “Invisibles” de Christiane Peschek, oscila num amplo campo psicológico criando uma espécie de guião de cinema dramático que nos vai dando pistas para a leitura das imagens. No mesmo território situa-se Guilherme Gerais que, em “Intergalático” convida o espectador a entrar num jogo/desafio de acaso e desordem, numa viagem que, em vez de remeter para o passado aponta para o futuro.

Aqui a busca da verdade é tão importante como todos os vários caminhos da ficção. Esta metáfora surge bem vincada na figura do caçador de meteoritos (“The Meteorite Hunter”) de Alexandra Lethbridge que, numa perseguição obstinada, procura revelar o etéreo e o sublime no mundano e no banal. Nessa mesma odisseia, Sarker Protick com a série “Love Me or Kill Me” revela o seu encantamento pelo mundo bizarro da indústria cinematográfica de Dhallywood, que expressa as emoções extremas de um mundo aficcionado de amor e vingança.

No mesmo quadrante ficcional situa-se “5 p.m., Hotel de la Gloria” dos autores Eduardo Brito e Rui Hermenegildo que, partindo de um plano de Antonioni, convocam diversas deslocações e ficções, ensaiando as possíveis materialização de um lugar criado pela grande ilusão do cinema. Por outro lado, Wawrzyniec Kolbusz com a série “Sacred Defence”, cria um simulacro de guerra do conflito Iraque-Irão, através de imagens fictícias e reconstrução de eventos históricos, levando o espectador a acreditar que vê realmente a guerra.

Com esta seleção procuramos provocar uma reflexão inquietante e comprometida com o ato de acreditar, capaz de reacender uma nova cumplicidade entre imagem e observador, transformando esta seleção num registo contundente e inventivo, através da exarcebação do visível que “cega”, e ao mesmo tempo iluminando as possibilidades de compreensão do outro e de si mesmo.

Autores:

ALEXANDRA LETHBRIDGE - The Meteorite Hunter

NATASHA CARUANA - Love Bomb

CRISTIANE PESCHEK - Invisibles

GUILERME GERAIS - Intergalático

LONNEKE VAN DER PALEN - Souvenir: Memories of a journey never made

WAWRZYNIEC KOLBUSZ - Sacred Defense

SARKER PROTICK - Love Me or Kill Me

MITI RUANGKRITYA - Thai Politics

ALENA ZHANDAROVA - Puree with a taste of triangles

EDUARDO BRITO e RUI HERMENEGILDO - 5p.m. Hotel de la Gloria

TIAGO CASANOVA - Is it a Revolution? or just bad weather?

Casa das Bombas (Galeria Janes)

Galeria Janes - Rua do Souto, 21

Situada no Edifício da "Galeria Janes" na Rua do Souto n.º21, a rua da porta de cidade de Braga, o nome “Casa da Bombas”, surgiu metaforicamente para acolher a XXV edição do...

Mais informação

Horário

Terça a Domingo | Tuesday to Sunday: 10h -12h30 | 14h30 - 18h30

Apoios Institucionais

Braga UM DGArtes GovernoPortugal