Laís Pontes

"Born Nowhere & Born Now Here"

Born Nowhere & Born Now Here

Born Nowhere e Born Now Here fazem parte da investigação sociopsicológica de Laís Pontes sobre a forma como as redes sociais influenciam a construção da identidade contemporânea. Estes dois projetos de arte usam o Facebook e outras plataformas inerentes às redes sociais para obter identidades colaborativas. No primeiro projeto, Born Nowhere, Pontes criou uma série de autorretratos e modificou-os usando a tecnologia digital transformando as suas próprias caraterísticas faciais num elenco diversificado de personalidades femininas. A artista publicou no Facebook cada uma das fotografias manipuladas digitalmente e de seguida convidou os usuários a partilhar as suas opiniões, comentários e interpretações relativas a esses mesmos retratos, baseando-se exclusivamente na personagem da imagem. Este diálogo é uma interação flexível que permitiu uma experiência sociocultural ilimitada. Ao incorporar os comentários dos usuários do Facebook, a artista construiu uma biografia para cada personagem, que posteriormente também publicou nessa plataforma. Desta forma, os comentários dos usuários fundamentaram e ajudaram a criar uma pessoa exclusiva para cada personagem—com o seu próprio nome, caraterísticas psicológicas, história de vida e memória. A descrição de cada nova personagem foi influenciada pelo termo apelidado pelos psicanalistas como "projeção", que se baseia no facto de o espectador atribuir contexto, realidade e fantasias aos outros. No segundo projeto, Born Now Here, Pontes aprofunda a sua investigação sociopsicológica. A artista revisitou as personagens do Born Nowhere transformando as identidades que haviam sido criadas através do Facebook em atividades reais, relações e comportamentos, criando assim uma performance contínua na sua vida quotidiana. Para além de terem contas pessoais no Facebook, eram atribuídos às personagens objetos particulares, tais como roupas, maquiagem, revistas e fotografias, de forma a refletir as suas personalidades individuais. A performance das personagens de Pontes combinou elementos das suas biografias virtuais com a realidade física e pessoal de si mesma. Esta fusão do seu "eu" com os outros inspirou Pontes a alargar a sua prática, entregando as personagens virtuais a outros. Deu total liberdade aos participantes para que desenvolvessem as identidades das personagens. Os participantes criaram uma outra versão da personalidade digital original durante o processo artístico, baseado-se nas suas próprias experiências. O seu envolvimento com as personagens virtuais foi altamente pessoal; transformou-se numa conversa com o "eu", no qual cada participante incorporou as suas próprias questões, ansiedades, medos e sonhos. As personagens virtuais sofreram uma transformação contínua ao longo de todo este processo, bem como os participantes que personificaram estas personagens. A experiência de viver através dos desígnios de outras pessoas deu aos participantes uma melhor compreensão do seu próprio "eu" e dos outros participantes. Os participantes confrontaram o mundo interno de cada um, incluindo diferenças de raça, sexualidade, género, classe e carreira. Por fim, as personagens foram devolvidas à artista ou entregues a um novo parceiro. Ao permitir aos participantes um controlo total sobre as personagens virtuais, a artista experimentou uma mudança no seu papel como criadora, tornando-se uma espetadora da sua própria obra de arte.

Laís Pontes

Nascida em Fortaleza, no Brasil, Laís Pontes é uma artista interdisciplinar, que vive e trabalha atualmente em Londres. A sua obra é uma investigação sociopsicológica sobre questões relativas às redes sociais e a preocupações contemporâneas. Nutre um interesse pela construção da identidade na era digital, bem como pelo papel que as redes sociais e os seus intervenientes desempenham nesta construção. Do mesmo modo que usa uma câmara e uma performance, Pontes usa também plataformas virtuais como o Facebook e o Instagram como ferramentas no processo de criação. Pontes permite que os espetadores tenham a oportunidade de assumir o papel do artista, permitindo que a obra de arte sofra mudanças no seu significado durante o processo de colaboração artística. A artista convida os espetadores a experimentar, interagir e desenvolver uma visão crítica sobre o efeito das redes sociais na sociedade e na identidade. Pontes formou-se no Centro Internacional de Fotografia (ICP) de Nova York, em 2011, e obteve o seu mestrado em Belas Artes através da Instituto de Arte de Chicago (SAIC), em 2014.
O seu trabalho foi exibido em todo o mundo com destaque no Centro Internacional de Fotografia em Nova York (2015), Encontros Internacionais de Fotografia no Canadá (2015), Museu Brandts na Dinamarca (2015), Bienal FotoFest em Houston (2014), 6º Arte Laguna Prize em Itália (2012), Paraty em Foco 7º Festival Internacional de Fotografia no Brasil (2011) e no Filter Photo Festival em Chicago (2011). O seu trabalho foi publicado em conhecidas revistas e blogs na Coreia do Sul, Espanha, Itália, Estados Unidos, Brasil e México. Estas publicações incluem o El País, The Creators Project, Lenscratch, Itsliquid, PDN Pulse e OjodePez. As suas obras de arte estão atualmente em exibição em coleções de museus públicos e privados.

Mosteiro de Tibães

Rua do Mosteiro - Mire de Tibães

O Mosteiro de São Martinho de Tibães, antiga Casa Mãe da Congregação Beneditina portuguesa, foi adquirido pelo Estado Português em 1986 e afecto ao Instituto Português do...

Mais informação

Horário

Terça-Feira a Domingo | Tuesday to Sunday | 10h00—19h00

Horário de Inverno (a partir de 24 de Outubro) | Winter time (from the 24th of October) : 10h00 - 18h00

Apoios Institucionais

Braga UM DGArtes GovernoPortugal