Vários Artistas

"Discovery Awards Projection"

Discovery Awards Projection

“I recognize happiness by the noise it makes when it leaves”.
Jacques Prévert

A exposição “MEMORY LAB OF HAPPINESS ” dá corpo aos projetos dos “autores -descoberta” da open call, lançada no inicio de 2016 para corresponder ao desafio de pensar criticamente o lugar da ”Memória” e “Felicidade” na atualidade. O Festival reafirma a vontade de lançar autores revelação, através de uma chamada pública gerando oportunidades de exposição e projeção.

Nesta edição, o festival congratula-se por anunciar a formalização da parceria com o Instituto Português da Juventude e do Desporto entidade mecenas do Prémio Descoberta a atribuir ao Melhor Portfólio de Fotografia Contemporânea, com idade inferior a 30 anos, que consiste num prémio monetário, a anunciar durante a sessão inaugural dos Encontros da Imagem 2016, no Mosteiro de Tibães.

Através desta seleção, a Fotografia surge como questionamento da utopia da Felicidade oferecida por religiões e projetos políticos ao longo dos tempos. Os autores aqui presentes, reconfiguram a sua visão de mundo através de imagens incertas, ambíguas e polissêmicas, sendo espelho da instabilidade transparente e da fragilidade do pensamento contemporâneo. A sucessão de imagens seguem os ritmos da crença humana garantindo a navegação pelos caminhos da fragilidade humana.

As fotografias revelam-nos ora o Paraíso, ora o Inferno, através de vincadas visões pessoais de confronto ou crítica. Jacques Prévert, o poeta e escritor francês, atribui à Felicidade, um sentimento de lembrança, de algo que já passou, pelo “barulho que a Felicidade faz ao partir”. A ilusão contemporânea, parece-nos ser a procura insaciável e ávida da Felicidade.

A Felicidade é um conceito de grande complexidade humana, corporizado por profundas alterações de ordem psicológica que envolvem inúmeras situações que implicam o desejo de afirmação, a luta pelo poder, a vaidade e a liberdade. Com esta mostra, eleita para ocupar o Mosteiro de Tibães em Braga, o Festival procura identificar as múltiplas visões do olhar, que reclamam a nossa atenção, através de novas e poderosas formas, que dão a conhecer os múltiplos territórios da Felicidade. Tal qual um laboratório de experimentação, esta coletiva recorre a temas que vão desde o recurso a arquivos e alguns de família, até a projetos documentais sobre os novos modos de vida em busca da felicidade, até a projetos autobiográficos, que questionam o valor da fotografia documental. Nesta mostra estão contemplados autores da Europa e de países como a Austrália, Brasil, Canadá, Peru, Síria e Uzbequistão, entre outros.

O músico e compositor cego, Stevie Wonder dá a melodia a esta edição, que espalha uma visão poética sobre a humanidade. Nessa metáfora musical há uma espécie de ritmo, que dá o tom às múltiplas visões desta mostra e revelam um retrato perturbador que emerge ternura, simpatia e inquietação. A Felicidade é uma emoção infinita e e dela poder-se-ia falar sem tréguas, mas a melhor descrição inicia no silêncio, mediado pelas imagens. Com isto se reconhece que é a fotografia e, de uma forma geral as imagens, que continuam a alimentar a nossa percepção das coisas e do mundo, tanto estética como afetivamente.

DESIRÉE BARROS FERREIRA
DIMITRA KARPIDOU
ELOÍSA EJARQUE
FABRIZIO BILELLO
FILIPPO MENICHETTI AND MARTIN ERRICHIELLO
FRANCESCO AMOROSINO
GABRIEL CARPES
ANA E SOFIA TELES
JANA RITCHIE
JULIE BALAGUÉ
KATERINA TSAKIRI
KUNSTSTOFF (JANOSCH BOERCKEL & TIM DECHANT)
LISE DUA
MAGDA KUCA
MARCO CASTELLI
PEDRO DIOGO
TIAGO COELHO
TUANY LIMA

Mosteiro de Tibães

Rua do Mosteiro - Mire de Tibães

O Mosteiro de São Martinho de Tibães, antiga Casa Mãe da Congregação Beneditina portuguesa, foi adquirido pelo Estado Português em 1986 e afecto ao Instituto Português do...

Mais informação

Horário

Terça-Feira a Domingo | Tuesday to Sunday | 10h00—19h00

Horário de Inverno (a partir de 24 de Outubro) | Winter time (from the 24th of October) : 10h00 - 18h00

Apoios Institucionais

Braga UM DGArtes GovernoPortugal