Freya Najade

The Silent Passing of Things

Os pântanos no leste de Londres deixaram-me maravilhada. Ao atingirem as margens, o barulho e a agitação de um dos bairros 'mais modernos' de Londres terminam subitamente, dando lugar a faixas verdes; campos extensos, semelhantes ao mar, localizados no meio das paisagens de cimento da capital. Uma súbita sensação de paz e liberdade envolve-me, como só acontece quando estou perto da costa, e que nunca acontece quando estou a caminhar pelos parques bem arranjados de Londres. O rio Lea faz fronteira com a vastidão de Hackney Marshes, destacando a sua extensão verde. A partir daqui, ele desce pelos vizinhos Leyton e Walthamstow Marshes, um fio de água ondulado que liga os três, quase de forma obediente. Falcões, periquitos, martins-pescadores e outros animais selvagens habitam estes enclaves de vegetação. Também os humanos habitam ali: a sua presença é marcada pelo lixo espalhado pelos campos, que vai flutuando no Lea; um rio tão poluído, que existem placas a avisar as pessoas para não nadarem ali. Talvez tenha sido essa sobreposição que me compeliu: apesar do abandono e dos danos verificados, nos pântanos a beleza da natureza parece sempre brilhar. Ou talvez tenha sido o seu tamanho e a sensação de liberdade que isso gerou em mim, que me manteve encantada. Ainda assim, não conseguia parar de fotografá-los. Explorei os pântanos em todas as estações e climas, encontrando belezas inesperadas e tendo encontros surpreendentes com estranhos - principalmente com jovens, que no desconfinamento da pandemia inundaram o parque, em busca de refúgio na sua vegetação. Estas fotos são uma ode a esta pequena parte do mundo e ao meu lugar favorito da cidade, os pântanos no leste de Londres, uma pérola no meio da metrópole. Sigo o rio Lea subindo e descendo o seu percurso, cruzando os pântanos, enquanto estudo o início, o fim e a renovação das coisas - o ciclo constante da vida - e a nossa relação com a natureza.

  • Exposição:

     

    Galeria do Paço da UMinho

    Segunda a Sábado: 10h00 - 18h00

logo for The Silent Passing of ThingsThe Silent Passing of ThingsThe Silent Passing of ThingsThe Silent Passing of Things