"; logo for A Study of AssassinationA Study of AssassinationA Study of AssassinationA Study of Assassination

A Study of Assassination

George Selley

Exposições
13 Set 2019 > 27 Out 2019
Mosteiro de Tibães

Em 1997, e de acordo com o ato de liberdade de informação, foi divulgado pela CIA um documento intitulado “Um estudo sobre assassinato”/“A Study of Assassination”. O manual foi divulgado como parte de uma coleção de arquivos da Agência Central de Inteligência relacionados com o Programa de Desestabilização da Guatemala em 1954. O programa visava derrubar o recém democraticamente eleito líder da Guatemala, o coronel Jacobo Arbenz Guzman. O programa foi impulsionado pela Corporação Global dos EUA, The United Fruit Company. A United Fruit era detentora de um quinto do país e controlava quase exclusivamente a venda mundial de bananas naquela época. A empresa pressionou a CIA para intervir na Guatemala e derrubar Arbenz, e propôs para o seu lugar um ditador que compactuava com as ações antiéticas da empresa. Em junho de 1954, uma ofensiva formada por mercenários treinados pela CIA e pelo seu apoio aéreo derrubou Arbenz, e colocou o ditador militar exilado Carlos Castillos Armas como líder. Acredita-se que o “Manual de Assassinato” foi criado para “educar” os mercenários no “ato de matar”. Enquanto isso, na Europa e nos EUA, a United Fruit continuou a moldar a perceção pública sobre a banana como sendo uma fruta saudável, divertida e inocente, através de publicidade em massa, música e cultura popular. Este projeto está dividido em dois conjuntos de imagens, o primeiro prende-se com o recriar da intenção do manual usando imagens que foram encontradas. Ao combinar páginas do documento com imagens do arquivo de imprensa da época, e campanhas de propaganda da United Fruit, dá-se uma transformação no significado dos documentos. Conotações comummente associadas à banana, tais como, o humor, o sexo, a libertação e o sonho Americano são interligadas à sua sinistra história de opressão, imperialismo capitalista e genocídio - desafiando as nossas conceções sobre o simbolismo das bananas. O segundo conjunto de imagens do projeto é completamente fictício - uma conjugação de documentos do manual com imagens encenadas e um documentário improvisado: seguindo literalmente o manual com o uso de uma câmara.

  • George Selley

    Reino Unido

    George Selley nascido em 1993, é um fotógrafo e realizador que mora e trabalha em Londres.

    George de momento dá aulas de fotografia na Fine Arts College em Camden. Recentemente terminou o mestrado em Fotojornalismo e Fotografia Documental na London College of Communication. O seu trabalho para além de conceptual tem uma forte componente de investigação devido à licenciatura que tirou Bsc Social & Biological Anthropology na Oxford Brookes em 2015.

    O seu trabalho já foi publicado em revistas e jornais como Dazed, Huck, The British Journal of Photography, Art Press and Fisheye Magazine. Em 2017 George recebeu o prémio Paris Photo Carte Blanche Student Award. Foi também nomeado para HSBC Prix de la Photographie 2019 e foi finalist no Fujifilm Young Talent Award, assim como no Felix Schoeller Best Emerging Photographer Award em 2017.

    George já expôs no Felix Nussbaum Museum of Cultural History na Alemanhã, no Gran Palais no Paris Photo em 2017, na galeria Fondazione Marangoni Gallery em 2017, entre outros.