"; logo for So Much, So Little So Much, So Little So Much, So Little

So Much, So Little

Vladimir Birgus

Exposições
13 Set 2019 > 27 Out 2019
B-Lounge da U.Minho

Retratar a sombria situação das pessoas nas circunstâncias peculiares dos países comunistas nas décadas de 1970 e 1980 tornou-se uma espécie de obsessão para Vladimír Birgus. As suas fotografias apresentam o protótipo do indivíduo anónimo, e ainda assim tão conhecido. Não aparecem apenas pessoas nas suas fotografias, mas também papel de parede a cair de paredes estucadas, os torsos de pavimentos feridos, as vitrines vazias das lojas, os espaços públicos encardidos - em suma, a cultura visual como um todo desempenha um papel importante no trabalho de Birgus. Nas suas fotografias, ele esboçou a atmosfera sombria dos tempos, a fim de preparar a cena para a apresentação de histórias que não têm começo nem fim. A suas fotografias não captam a história, mas sim a essência, sendo dissecadas até à medula. A impossibilidade de conhecer os outros, a impossibilidade de abraçar, a frieza do toque, a infinita distância entre dois seres. Ao mostrar o amplo abandono da esperança na mudança positiva, Birgus ressalta a omnipresente capacidade corrosiva do cinza, um estado de separação emocional.
Nas fotografias de Birgus, os exauridos rituais sociais das várias demonstrações e desfiles comunistas tornam-se sinónimos de opressão. É claro que todo ritual apenas cumpre o seu propósito se motivar os participantes a participar internamente. No entanto, nas fotografias de Birgus vemos os rostos resignados de pessoas sem emoção, as máscaras de Ensor. As pessoas misturam-se com o ambiente cinzento e criam uma camuflagem para a sobrevivência, com o objetivo de não se destacar, de não chamar a atenção para si mesmas, esperando pelas coisas. A única maneira de defender-se contra o sistema político totalitário é criar o seu próprio pequeno mundo e cuidar da alma. As fotografias de Birgus não são meramente sarcásticas ao descrever a mentalidade de rebanho aquando das cerimónias e celebrações do estado, ou da devastação do meio ambiente e das pessoas no período do governo totalitário; ao mostrar aqueles que não tiveram coragem e força para desafiá-lo, estão também a ser solidárias. Uma das fotos mais fortes é a de um homem com um casaco de couro e chapéu, que no trabalho recebeu uma bandeira e agora tem que transportá-la nas comemorações que marcam o trigésimo aniversário do 'Fevereiro Vitorioso', a tomada de poder comunista de 1948 na Checoslováquia. Numa das fotografias de Birgus em Leningrado, o rosto de alguém que foi pressionado pelos restantes passageiros contra uma janela tornou-se um símbolo marcante do absurdo da sociedade moderna - estamos todos cercados de pessoas, mas estamos sozinhos. Embora as fotografias de Birgus confirmem uma atitude moral, elas fazem-no sem ridicularizar ou satirizar as pessoas; ele "apenas" enfatiza as situações e motiva-nos à contemplação.


As numerosas obras de Birgus, na sua maioria publicadas na década de 1970 e 1980, e que foram produzidas não apenas na Checoslováquia, mas também na União Soviética, Polónia, Roménia e outros países, estão gradualmente a chegar à superfície da vida fotográfica através de  exposições e catálogos. Ao contrário das obras de Dana Kyndrová, Viktor Kolář, Jindřich Štreit, Jaroslav Kucera, Karel Cudlín e outros fotógrafos checos que procuraram também alcançar uma visão autêntica, porém muitas vezes com um toque de ironia, do contraste entre a propaganda do Estado e a sombria realidade da vida sob o regime totalitário e a sua política de 'normalização', a maioria das fotos de Birgus sobre este tema permaneceu inédita por décadas. A maioria destas fotos de arquivo será como uma espécie de revelação para o espetador. As fotos não estão incrustadas no fundamento dos estereótipos e estigmas históricos da arte, e o espetador pode, assim, acolhê-las em estado bruto, com a possibilidade de preencher os espaços através de uma conversa subtil com a imagem. As sinistras sombras que se assemelham a Munch, o silêncio gotejante, a intemporalidade industrial e a paisagem rural principal - tudo isso, independentemente da localidade checa ou estrangeira selecionada, determinam os atributos base universais das suas fotografias do período da Checoslováquia conhecido como normalização. A criação de um regime comunista rígido após o esmagamento do movimento de reforma da Primavera de Praga em 1968. É relevante que, embora tenha feito fotografias documentais a cores desde o início da década de 1980, a grande maioria das fotos de Birgus sobre o tema da vida sob o regime totalitário é em preto-e-branco.

 A fotografia de Birgus dos anos 1970 e 1980 tem uma validade histórica duradoura como um documento temático daquele período. Mas essas fotos também carregam uma mensagem universal para o indivíduo e para a sociedade. Elas tornaram-se parte do património fotográfico e um aviso para as futuras gerações. As fotografias só melhoraram com o passar do tempo; a sua energia parece não estar sujeita às leis da entropia. Enquanto nos sintonizarmos com a mesma onda do tempo que passa, voltaremos cada vez mais às fotografias de Birgus, que trazem não apenas deleite visual, mas também nos conduzem a uma profunda contemplação do mundo e de nós mesmos.

 Jiří Siostrzonek
 
                                                                                               

  • Vladimir Birgus

    República Checa

    Vladimir Birgus é um fotografo, historiador, critico, curador e professor de fotografia. Vladimir é o Diretor do Instituto de Fotografia Criativa na Silesian University em Opava na Républica Checa. Ele é autor e co-autor de 35 livros de fotografia, incluindo Tschechoslowakische Fotografie der Gegenwart (Museum Ludwig, Cologne and Braus, Heidelberg, 1990), Czech Photographic Avant-Garde 1918-1948 ((KANT, Praha and Arnoldsche, Stuttgart 1999, The Massachusetts Intitute of Technology Press, Cambridge e Londres 2002), Photographer František Drtikol (KANT, Praga 2000), entre outros. Ele foi curador e co-curador de inúmeras exposições em vários museus e galerias, tais como: Modern Beauty: Czech Photographic Avant-Garde 1918-1948 (Museum National d’Art de Catalunya Barcelona, Paris, Lausana, Praga, Munique 1998-1999), Akt v české fotografii / The Nude in Czech Photography ( Praga, Paris, Aachen, Moscovo, Bratislava, Breslávia, Posnânia, Atenas, Varsóvia 2000-2010), Czech Photography of the 20th Century (Museu de Artes Decorativas de Praga e na Galeria da Cidade, Praga 2005, entre outras.