"; logo for A Monkey Peeled An OnionA Monkey Peeled An OnionA Monkey Peeled An OnionA Monkey Peeled An Onion

A Monkey Peeled An Onion

Marjolein Blom

Exposições
11 Set 2020 > 31 Out 2020
Mosteiro de Tibães

“Você pega numa cebola e descasca e descasca, direto ao coração, e não há nada lá. Deve haver algo, você acredita, tem que haver - você pega noutra cebola e começa a descascar, continua a descascar, e no final, nada... Entende a tristeza deste macaco?"

Osamu Dazai, ‘A Record of the Autumn Wind’/'Registo de um vento de outono' 

As teorias científicas, como as da física quântica e o funcionamento interno do nosso universo, parecem responder a perguntas complicadas sobre o mistério da criação. Toda resposta, no entanto, é o ponto de partida de um novo enigma. O vácuo é um conceito tão enigmático. 'O que é o nada? E o que resta se tirarmos toda a matéria, a terra, as estrelas, todas as moléculas e átomos? Pode um verdadeiro vazio existir? E como surgiu algo do nada nos primeiros dias do nosso universo?  Para mim, a ideia de que, através da ciência, poderemos eventualmente revelar a natureza da nossa existência é muito interessante. Ao mesmo tempo, pode-se argumentar que o hábito humano de continuar a medir, descrever e testar, sem obter nenhuma confirmação de que estamos a chegar perto de uma compreensão final de tudo o que nos rodeia, parece um tanto absurdo. Mas a liberdade de pensar além do imaginável é um requisito para os cientistas desafiarem as verdades estabelecidas e expandirem os limites do nosso conhecimento. Este processo de busca, sem noções preconcebidas do resultado, é uma das chaves da pesquisa fundamental. Vários estímulos, como a interferência política e financiamento dependente estão, no entanto, a colocar a liberdade académica sob nova pressão. "A Monkey Peeled an Onion" examina teorias filosóficas e científicas sobre o nada, o vácuo, e as partículas elementares. É um trabalho sobre a natureza ilusória do "nada". Não tem como objetivo encontrar respostas, mas, pelo contrário, trazer uma ode divertida ao ato de procurar. 

Mesmo quando possivelmente nada será encontrado. 

  • Marjolein Blom